Aeróbico em Jejum – Fazer ou não fazer?

Fala galera, beleza?

Hoje vou falar um pouco de uma técnica que gosto muito para queima de gordura, mas que tem seus prós e contras: O aeróbico em jejum.

Sem muita enrolação, vamos ao que interessa.

Aeróbico em Jejum

O Aeróbico em Jejum ou simplesmente AEJ, é uma técnica em que, se utiliza normalmente o jejum do sono, onde você passa de 6~8h sem ingerir alimentos e ao acordar, você faz de 30 a 45 minutos de aeróbicos em baixa/media intensidade e aguarda mais 30 minutos após o termino do aeróbico para fazer a sua primeira refeição.

Defensores do AEJ, alegam que quando você ingere alimentos antes do aeróbico, você gera um pico de insulina no organismo que atrapalha a queima de gordura. A ideia do AEJ é aproveitar o GH (hormônio do crescimento) liberado durante o sono para potencializar a queima de gordura. Outro ponto interessante é que quando você ingere alimentos, você tem glicogênio circulando no organismo que o corpo vai utilizar como fonte de energia antes de começar a queima de gordura corporal, o que não acontece no AEJ pois você está com o estoque de glicogênio baixo após 8 horas de sono e o corpo é “obrigado” a utilizar a gordura como fonte primária de energia.

Vamos exemplificar de um modo bem grotesco: Se você vai queimar 300kcal fazendo seu aeróbico e ingeriu 450kcal na refeição anterior, o corpo tende a usar o alimento que você ingeriu como energia o que, teoricamente, não daria nem tempo do corpo começar a usar o tecido adiposo como energia, pois você não esgotou nem a energia dos alimentos que comeu. Como no AEJ você não tem glicogênio circulando no organismo(ou tem em pouquíssima quantidade) e o corpo tende a usar a gordura corporal como fonte de energia primária. É isso que nós queremos.

Um dos contras nesta técnica, seria o catabolismo muscular (uso de massa muscular como fonte de energia). Dependendo da intensidade do seu AEJ o corpo poderia utilizar sua massa magra como fonte de energia primária. Por isso muitos fazem uso de BCAAs antes do Aeróbico em jejum, o que particularmente não acho interessante, pois querendo ou não, você está quebrando o jejum. Prefiro a ingestão de algum termogênico para potencializar a queima calórica, mas não recomendaria essa pratica para iniciantes no AEJ.

Outro ponto contra é para quem tem diabetes ou tem problemas de hipoglicemia. Nestes casos, não é recomendado o aeróbico em jejum pois as reservas de glicogênio já estariam baixas e esse tipo de aeróbico pode baixar mais ainda podendo causar uma hipoglicemia severa.

Enfim, em tudo na vida há pós e contras. Vale você botar na balança e vê o que é melhor para você. Se você é sedentário, não comece sua vida de exercícios com essa técnica, pois não considero uma técnica para iniciantes. No caso dos diabéticos e pessoas que sofrem de hipoglicemia, eu faria aeróbicos após um treino de musculação porque você esgotou o glicogênio durante os exercícios e o corpo também usaria gordura como fonte de energia nessa situação mas, desse modo, o glicogênio não estaria tão baixo como no caso de um jejum. Esses são os dois únicos modos que considero o aeróbico para perda de gordura como opção. Em outras situações, se você estiver alimentado, o corpo tende a usar a energia dos alimentos antes da gordura corporal porque sua transformação em energia tende a ser mais fácil para o organismo. E não se esqueça: sem um déficit calórico (gastar mais energia do que consome), nenhuma técnica será efetiva.

Por hoje é isso. Espero que gostem e como sempre, deixem suas dúvidas, criticas e sugestões nos comentários.

Até o próximo post.